quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Bazar do Folclore

No último sarau, a Casa Crescer celebrou toda a riqueza do nosso folclore. Foi um grande bazar com tudo que a tradição popular nos legou. As turmas já vinham desenvolvendo os trabalhos em sala e as apresentações foram grandes momentos de troca e socialização. Abaixo podemos conferir, em parte, como foi esse momento.

Músicas e Paródias
(Turmas das Profª Andressa, Claudia e Iriane)

Folclore
(Paródia da música Asa Branca - Luiz Gonzaga)

Você sabe o que é folclore?
Vou lhe dar a explicação...
É tudo aquilo que vem do povo
E nasce livre do coração.

Tem a lenda da Mãe D'água
Tem a história do Saci
Do Curupira, Vitória-régia
Do Caipora e Jurupari.

Tem cantigas de crianças
Tem modinha , tem lundu
Tem muito frevo, baião e samba
Cateretê e maracatu

Os ditados populares
Mostram o que o povo sente
Quem não tem cão, caça com gato
Olho por olho, dente por dente

Minha terra tem de tudo...
Tem angu, tem munguzá
Tem carne seca, tem rapadura
Tem cururu e tem vatapá.
























Alunos cantando: manhã e tarde respectivamente


Provérbios

(Turma da Profª Adriana)

Aperte na foto para ampliar e ver os provérbios


Alunos recitando os provérbios no sarau

Luís da Câmara Cascudo
(Turmas das Profª Nalva e Conceição)

Frases Cascudianas

"A cultura popular é o saldo da sabedoria oral da memória coletiva".

"É uma verdadeira história normal do povo".
















Frases Biográficas
Nasceu em Natal e estudou no Atheneu, folclorista e historiador várias funções exerceu.
Filho de um coronel e de uma dona de casa, Luís da Cãmara Cascudo é de família abastada.
Se dedicou ao jornalismo por toda mocidade, estreou no jornal A Imprensa, depois em todos os jornais da cidade.
Em sua dolescencia teve fama de namorador, por Dália se apaixonou e com ela se casou.
Tiveram dois filhos Ana Maria e Fernando Luis, Estudou no externato Coração de Jesus.
Alma Patrícia seu primeiro livro, contribuíu com a cultura, tem seu trabalho reconhecido.











Lendas e Contos Populares

(Turmas das Profeª Rivanda, Teresa e Preta)












A lenda do espelho ---------------------- Os três moços malvados


Adivinhas

(Turmas das Profª Teresa, Rivanda e Jannekelly)











Qual a maior injustiça do natal?

O peru morre e a missa é do galo!

Qual a diferença entre a mulher e o leão?
A mulher usa baton e o leão ruge!

Somos duas irmãs gêmeas, despidas ou enfeitadas, nunca podemos nos ver e nunca andamos zangadas?
Orelhas!

Sou um velho encolhido, que estando em formosa mão, me abro logo encantado, como a calda de um pavão?
Leque!

Música Alemã


As nossas parceiras Gisela e Nina (Alemãs) contribuíram com o sarau cantando uma música tradicional da cultura do seu país.

Gisela e Nina


Roda de Capoeira de Angola
(Turma do Profº Josivaldo)

"Vou dizer ao meu Senhor que a manteiga derramou. A manteiga não é minha e da filha do Senhor"

Grupo matutino

video
Grupo Vespertino


Teatro de Bonecos - Chico Daniel
(Turma da Profª Wdérica)

Câmara Cascudo, em Dicionário do Folclore Brasileiro, define o João Redondo como uma espécie de divertimento popular, que consiste em representações dramáticas por meio de bonecos, em um pequeno palco.
Chico Daniel era considerado o mais ilustre representante do ramo do mamulengo denominado joão-redondo, gênero que floresceu no Estado do Rio Grande do Norte. Chico Daniel morreu aos 65 anos de idade, no sábado 03 de março de 2007, após sofrer um ataque cardíaco, quando se arrumava para viajar até São Paulo do Potengi (RN), onde se apresentaria no Circo da Luz.










Daniel, João Victor, Wesley, Rogério, Danilo e Higor
Alunos que deram vida aos mamulengos










Teatro de Bonecos -João Redondo em áudio produzido pelos alunos

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Comemoração do Dia do Estudante 2011

A Casa Crescer comemorou o dia do estudante com diversas atividades lúdicas junto aos discentes. Através de jogos parados e brincadeiras populares, trabalhamos as diversas capacidades de raciocínio lógico, concentração e coletividade. No turno vespertino, contamos ainda com a apresentação do grupo de dança independente Mistery, com sede na comunidade.























































E há que se cuidar do broto, pra que a vida nos de flor e fruto...